Qual a importância do marketing digital na gestão de crise?

Qual a importância do marketing digital na gestão de crise
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email

Qual a importância do marketing digital na gestão de crise?

A pandemia do novo coronavírus, COVID-19, desencadeou enormes mudanças no comportamento do consumidor, bem como nas rotinas das empresas, incumbidas de adotar uma gestão de crise às pressas para enfrentar o cenário de instabilidade econômica, política e de saúde pública.

Com as recomendações de isolamento social da OMS (Organização Mundial da Saúde), em conjunto com decretos estaduais e municipais que suspenderam o funcionamento de vários estabelecimentos, houve a necessidade de se reinventar para sobreviver à crise.

Uma alternativa encontrada pelas empresas, escolas, comércios e escritórios foi a adoção do home office, além da exploração das tecnologias da informação e da comunicação (TICs), potencializando as iniciativas online e a troca de experiências pela internet.

Neste cenário, o marketing digital, que antes era visto como uma tendência, tornou-se indispensável e essencial, pois com o comércio fechado, várias pessoas aderiram às compras online e ao e-commerce.

Por isso, a maneira como a sua marca conduz as estratégias de marketing digital irá dizer muito sobre a empresa durante a crise e no pós-pandemia. Ou seja, se o seu negócio ainda não tem um planejamento definido para as plataformas virtuais, o momento é agora.

No artigo de hoje, saiba mais qual a importância do marketing digital na gestão de crise, principalmente durante o cenário de pandemia do novo coronavírus. Acompanhe a leitura!

O comportamento dos consumidores na pandemia da Covid-19

O marketing digital é considerado uma das formas de divulgação de melhor custo-benefício, devido ao baixo preço das campanhas e o alto ROI (Retorno sobre Investimento). 

Com as redes sociais, isso ficou ainda mais evidente, já que é possível compartilhar conteúdos, em plataformas de alcance massivo, muitas vezes sem nenhum custo.

Ou seja, já não é de hoje que o marketing digital é visto como uma das estratégias mais promissoras para as empresas. Aliás, atualmente muitas pessoas usam a internet para pesquisar algo: seja por um serviço de locação de tendas, ou para outra informação.

Com a inesperada pandemia da Covid-19, o marketing digital aparece não como uma tendência, mas sim como uma solução para a sobrevivência dos negócios, frente a um cenário de instabilidade econômica e financeira.

Além disso, é uma alternativa de manter a empresa funcionando, devido às circunstâncias de isolamento e interrupção de atividades. Quer dizer que ser digital não é mais uma opção; é uma necessidade.

Afinal de contas, mais de 70% da população brasileira têm acesso à internet, segundo a pesquisa da TIC Domicílios. 

Com o avanço cada vez mais rápido das plataformas virtuais, o comportamento do consumidor já estava mudando, com a ampliação do comércio eletrônico e o uso das redes sociais.

Com a pandemia, o e-commerce registrou um crescimento de 48,3%, ultrapassando a marca de 148 milhões de pedidos, no período da segunda quinzena de março até o final de abril de 2020.

O aumento é válido para todos os segmentos, desde a aquisição de um sistema pneumático para indústrias, até a compra de itens básicos de supermercado, higiene e farmácia. 

Até mesmo para produtos que não tinham muito alcance, como os alimentos, tiveram uma ampliação de compra de 17%.

Inclusive, pesquisas na área de varejo indicam que esse comportamento do consumidor deve perdurar até o cenário do pós-pandemia. 

O “novo normal”, como tem sido chamado a realidade futura, indica que os hábitos não serão passageiros e, portanto, o marketing digital deve predominar em todo o mundo.

Além disso, as pessoas estão passando mais tempo em casa isoladas e, como consequência, as redes sociais surgem como uma alternativa de contato humano em ambientes virtuais.

O Facebook e o Instagram registraram um crescimento de 40%, enquanto a realização de lives aumentou mais de 70%. 

Esses canais podem ser explorados pelo marketing digital, com a apresentação de produtos, como uma cobertura de vidro, ou até de expressões artísticas – vide os músicos que se apresentam pelas transmissões ao vivo.

Na gestão de crise, o que mais importa é a sobrevivência no mercado. Por isso, é preciso concentrar esforços para garantir a manutenção das operações com o menor impacto, tomando decisões estratégias para assegurar o funcionamento das empresas e oferecer o que realmente os consumidores precisam.

O desafio é grande. Porém, a principal recomendação para todos os segmentos, seja uma empresa de segurança patrimonial, uma loja de roupas, uma indústria ou até mesmo um serviço essencial, é acompanhar os novos comportamentos dos clientes e as tendências envolvendo o marketing digital – que é o destaque da vez para os negócios.

4 dicas de marketing digital para a gestão de crise

Em tempos de isolamento, a forma como a sua empresa irá conduzir as estratégias de marketing digital vai ser extremamente importante e determinante para a gestão de crise, uma vez que é preciso se adaptar às tendências globais de consumo.

Como dito anteriormente, a população está hiperconectada e, por esse motivo, comprar online não é apenas uma opção, mas sim a modalidade plausível para o momento.

Diante disso, separamos algumas dicas de marketing digital para a gestão de crise durante a pandemia da Covid-19, destacando estratégias que provavelmente irão prevalecer em momentos posteriores. Confira!

1 – E-commerce

A pandemia do novo coronavírus é a oportunidade perfeita para vender em plataformas e-commerces. 

Além de ser uma das principais estratégias do marketing digital, o comércio eletrônico já se mostrava promissor antes mesmo da crise, devido à praticidade na venda de produtos e serviços.

Ou seja, as lojas virtuais tornam possível a criação de vitrines totalmente onlines, onde o consumidor pode escolher um revestimento 3D, por exemplo, sem precisar sair de casa.

Entre as principais vantagens de um e-commerce, destacam-se:

  • Alto potencial de reconhecimento da marca;
  • Aumento das receitas da empresa;
  • Não restrição de clientes por localidade;
  • Ampliação do público-alvo.

Além disso, os e-commerces oferecem a possibilidade de diversificar o leque de produtos e serviços. 

Desse modo, as empresas podem escolher o comércio de novas mercadorias, para aumentar a lucratividade e a rentabilidade.

2 – Redes sociais

As redes sociais aparecem como protagonistas das estratégias de marketing digital, devido ao seu alto poder de impacto do público, além da interação direta e o engajamento com os potenciais clientes.

Vale dizer que, sem as pessoas nas ruas, não só o varejo é prejudicado, mas também as campanhas tradicionais de publicidade, pois os outdoors, banners e panfletos são menos percebidos pela população em geral.

Nesse contexto, as redes sociais se tornam as responsáveis por veicular propagandas e melhorar o relacionamento da marca com os clientes. 

Com elas, é possível criar um anúncio patrocinado sobre um sensor indutivo, por exemplo, e direcionar a uma audiência específica, aumentando as chances de conversão.

As redes sociais ajudam a sua empresa a se destacar de forma clara e objetiva, seja por meio da publicação de conteúdos interessantes e estrategicamente pensados sobre a marca, ou pela elaboração de anúncios, que aumentam a visibilidade.

3 – Conteúdos de valor

A Covid-19 também testa a relevância das marcas e o compromisso das empresas no compartilhamento de conteúdos de valor. 

Isso porque houve muita desinformação e fake news com a crise da pandemia e, por conta disso, as pessoas têm buscado fontes confiáveis de informação, para diminuir as incertezas.

Além disso, não só as empresas estão preocupadas com a doença, mas também os consumidores. Por esse motivo, vale a pena investir na produção de conteúdos de valor sobre o cenário atual, seus produtos e serviços.

Por exemplo, se a empresa trabalha com serviços para instalação de adesivo jateado para vidro, busque orientar o público a respeito da atividade e quais são as precauções tomadas para evitar a disseminação do vírus durante a execução do procedimento.

4 – Humanização da marca

Não está sendo fácil para ninguém atravessar a pandemia do novo coronavírus. Diante disso, uma das estratégias para gestão de crise é justamente compreender os anseios, medos e preocupações do público, humanizando a marca.

A audiência deseja cada vez mais se relacionar com negócios que se preocupam com o bem-estar das outras pessoas e não estão preocupadas somente em vender.

Segundo uma pesquisa do Instituto Ayrton Senna e da ESPM, 77% dos participantes esperam que as empresas contribuam mais para a sociedade e 82% consideram a importância das marcas na demonstração de atitudes com responsabilidade social.

Portanto, mesmo em um conteúdo simples sobre porta de enrolar automática, por exemplo, busque imprimir empatia e humanização no material.

Conclusão

A pandemia da Covid-19 não é a primeira e nem será a última crise enfrentada no mundo. 

O Brasil é um país com histórico de crises e, por esse motivo, as empresas devem sempre ficar atentas às tendências de mercado para sobreviver às instabilidades.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Assine nossa Newsletter

Fique por dentro das novidades do mundo digital.

Compartilhe com seus amigos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email