Como utilizar a tecnologia para atender as demandas do mercado pós-crise?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email

Como utilizar a tecnologia para atender as demandas do mercado pós-crise?

A tecnologia se tornou uma grande aliada no mercado pós-crise. Isso porque ela permitiu a ampliação de vários serviços corporativos, além de manter as empresas em funcionamento, mesmo diante de contextos inesperados.

A crise do Covid-19, por exemplo, exigiu que vários negócios tivessem que fechar suas portas, para cumprir as medidas de isolamento e distanciamento social, que são fundamentais para o controle de contágio.

Porém, isso fez com que vários empreendimentos sofressem muito, já que faltava investimento em tecnologia para continuar oferecendo produtos e serviços ao público.

No entanto, mesmo no pós-crise, espera-se que vários negócios continuem utilizando a tecnologia. Afinal de contas, tornou-se comum o atendimento online em uma clínica de psicologia, por exemplo, sendo uma modalidade que pretende se manter.

No artigo de hoje, saiba como utilizar a tecnologia para atender as demandas do mercado pós-crise e alcançar o sucesso com o seu negócio. Acompanhe a leitura!

O comportamento do consumidor contemporâneo

Antes de tudo, é preciso compreender mais sobre o comportamento do consumidor contemporâneo, que já vinha se transformando antes mesmo da crise, mas se alterou profundamente com o novo cenário de isolamento.

De acordo com um levantamento realizado pelo Statista, portão alemão de estatísticas, a Itália teve um aumento de 90% das vendas online nos primeiros meses de 2020.

O Brasil também apresentou um crescimento significativo, com um aumento de 180% nas vendas de produtos para saúde e alimentação.

Diante disso, vários empreendimentos tiveram que investir no comércio eletrônico. Afinal de contas, as pessoas procuravam por fornecedores matéria-prima cosméticos, por exemplo, que ofereciam a possibilidade de compra online.

Além de cumprir as medidas de isolamento social, as compras pela internet oferecem inúmeros benefícios aos consumidores, incluindo:

  • Mais conforto e comodidade;
  • Mais segurança na realização das compras;
  • Oportunidade de comparar vários preços;
  • Possibilidade de conhecer mais sobre o produto/serviço.

Diante disso, a perspectiva é que o e-commerce só cresça, mesmo no pós-crise. Então, as empresas de alimentação e outros setores que ainda não investiram no mundo online precisam fazer isso o quanto antes!

Quais tecnologias serão fundamentais para o mercado pós-crise?

Diante dessa mudança de comportamento do consumidor, algumas tecnologias e inovações se tornaram indispensáveis para o cenário pós-crise. Inclusive, algumas delas vão muito além dos software, mas também representam uma transformação de metodologias.

Hoje em dia, a maneira de divulgar uma empresa de controle e automação, bem como qualquer outro negócio, modificou-se.

A seguir, separamos algumas tendências tecnológicas que não podem faltar na sua empresa durante o mercado pós-crise. Confira!

1 – Criação de sites

Atualmente, quem não está presente na internet está fadado ao fracasso. Por esse motivo, se o seu negócio ainda não investiu na criação de sites, precisa fazer isso o quanto antes.

Além da visibilidade, as páginas web são importantes fontes de informação e consulta. Por meio delas, uma pessoa pode encontrar o endereço de uma assessoria contábil, por exemplo, bem como o telefone, serviços prestados, entre outros dados.

Dessa forma, um potencial cliente se sente mais seguro de fechar negócio com a sua empresa, já que ele conhece mais sobre o produto ou serviço, antes mesmo de ir até o estabelecimento.

Além do mais, os sites são muito usados para ampliar as vendas, podendo funcionar como lojas virtuais. Assim, você pode oferecer um produto diretamente pela sua página, oferecendo várias opções de pagamento e formas de entrega aos consumidores.

Fora que os sites dispensam barreiras geográficas. Quer dizer que uma pessoa em outra cidade (ou até país) pode conhecer a sua fábrica de tijolo ecológico, por exemplo, se interessar pelo produto, comprá-lo ou recomendá-lo para conhecidos.

Hoje em dia, a criação de sites se tornou muito mais simples por conta dos avanços tecnológicos. É possível contar com várias ferramentas específicas para o desenvolvimento de páginas web, que contribuem para a elaboração de um canal eficiente.

2 – Gerenciamento de redes sociais

As redes sociais são protagonistas da internet. Para termos uma ideia, um estudo divulgado pela Cuponation mostrou que o número de usuários de redes sociais no Brasil deve crescer mais de 20% nos próximos anos, alcançando mais de 114,5 milhões de usuários.

Com isso, ocuparemos o quarto lugar no ranking entre os países que mais acessam essas plataformas, perdendo apenas para a China (799,6 milhões), Índia (447,9 milhões) e os Estados Unidos (257,4 milhões).

Só com esses dados, já dá para ter uma noção do quão importante é realizar um gerenciamento assertivo das redes sociais, em especial no mercado pós-crise.

Isso porque essas plataformas trazem muita visibilidade para os negócios. Pode reparar: se uma empresa de segurança do trabalho e saúde ocupacional tiver uma página famosa no Facebook, é bem provável que ela consiga um grande reconhecimento e destaque.

Consequentemente, o número de vendas também aumenta. No entanto, mais do que estar presente nas redes sociais, é preciso saber como gerenciá-las do modo correto, levando em conta as especificidades de cada plataforma e a necessidade de produção de conteúdo relevante.

Uma forma de tornar toda essa atividade muito mais produtiva é por meio de soluções tecnológicas de gerenciamento, incluindo ferramentas de automação, programação de publicações, cronograma de postagens e, até mesmo, chatbots.

Com todas essas funcionalidades, as pessoas passam a conhecer mais o seu perfil nas redes, sendo uma forma de construir um relacionamento saudável com o público – algo que também reflete nas vendas e na lucratividade da organização.

3 – Estratégias de SEO (Search Engine Optimization)

Pare e pense: quando você precisa encontrar agulhas hipodérmicas descartáveis, onde costuma fazer a busca? Se você respondeu “Google”, está entre a grande maioria dos usuários que faz a mesma coisa – por isso, o buscador é tão popular.

Sendo assim, é importante que o seu site alcance uma boa classificação entre os resultados de pesquisa, uma vez que o rankeamento é fundamental para aumentar o tráfego orgânico e a conversão de leads (potenciais clientes).

Para isso, a dica é investir em SEO (Search Engine Optimization), ou otimização para os mecanismos de busca, uma estratégia capaz de melhorar a classificação do seu conteúdo no Google e, dessa forma, melhorar o reconhecimento da marca.

A migração para o universo digital exige a presença dos sites nos buscadores. Por esse motivo, em um mercado pós-crise, o investimento em soluções tecnológicas que aprimorem o SEO é essencial.

Atualmente, cerca de 55% das empresas brasileiras adotam estratégias de otimização como parte do planejamento de marketing. A perspectiva é que esse número cresça cada vez mais, devido ao sucesso da técnica a médio e longo prazo.

4 – Marketing Digital

Como não poderia ficar de fora, o marketing digital ganha uma relevância especial no mercado pós-crise. Não apenas por acompanhar o comportamento do consumidor, mas também porque a estratégia é muito mais acessível financeiramente falando.

Podemos pensar, por exemplo, no preço de um anúncio do Facebook em comparação com uma propaganda tradicional na televisão. A diferença será gritante!

Em épocas de pós-crise, as empresas estão buscando alternativas para orientar melhor os seus gastos, já que é preciso economizar (principalmente, em um cenário de instabilidade, como é o caso do Brasil).

O marketing digital também é muito mais segmentado. O que significa que as propagandas não são massivas, mas sim, direcionadas a um público específico, o que torna muito mais eficiente a conversão.

Sendo assim, as empresas só tendem a ganhar quando investem em marketing digital. Fora o tanto de campanhas que podem ser feitas na internet, que vão desde a criação de sites, como abordamos no primeiro tópico, até materiais completos (e-books, webinars, etc.).

Algo que devemos ressaltar aqui é a necessidade de investimento em ferramentas de automação e soluções tecnológicas, para que essas campanhas sejam ainda mais assertivas e eficientes.

Por esse motivo, vale a pena pesquisar as principais inovações disponíveis em marketing digital, para avaliar se elas cabem no planejamento da sua empresa e como essas ferramentas podem contribuir com a expansão do seu negócio.

Conclusão

Os momentos de crise não são únicos. Frequentemente, seremos atingidos por períodos de instabilidades e incertezas, que podem exigir novos investimentos e estratégias das empresas, para acompanhar o mercado.

Recentemente, a pandemia da Covid-19 fez com que várias organizações migrassem para o mundo digital, como uma alternativa de manter suas operações em funcionamento e, ao mesmo tempo, respeitando os decretos de isolamento social.

Diante disso, percebeu-se que a tecnologia faz toda a diferença para o sucesso dos negócios. Tanto que os empreendimentos inovadores conseguiram se manter firmes.

O artigo de hoje trouxe algumas tecnologias que pretendem se manter no mercado pós-crise. Sendo assim, se a sua empresa ainda não investiu em soluções tecnológicas personalizadas, o momento é agora!

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Assine nossa Newsletter

Fique por dentro das novidades do mundo digital.

Compartilhe com seus amigos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email